Cólica Renal

Posted by admin

Certamente uma das doenças mais assustadoras para uma pessoa é a cólica nefrética (renal).

Sem qualquer aviso a pessoa começa com uma dor intensa em um lado das costas, tipo cólica, e muitos vômitos. Então corre para o hospital em busca de ajuda.

Atendida no hospital, mesmo os funcionários administrativos reconhecem o quadro dado à grande constelação de sintomas característicos apresentados pelo paciente.

O tratamento inicial é a analgesia. Uma vez melhor da dor, o médico pode solicitar exames de imagem imediatamente ou liberar o paciente com analgésicos para fazer o tratamento adequado com o urologista, no consultório.

Um grande número de pacientes elimina o cálculo nos primeiros dias e não requer tratamento, entretanto, existe sempre o risco de a dor passar mesmo sem a eliminação do cálculo e o paciente acreditar que está curado. O ureter persiste obstruído e o rim dilata progressivamente com a pressão gerada pela urina acumulada no sistema coletor,  causando uma doença chamada hidronefrose.

O ideal é que o cálculo seja eliminado e a obstrução ureteral resolvida em até 2 semanas a partir do primeiro episódio de cólica nefrética. Estudos clássicos demonstram que desde o primeiro momento a função do rim afetado começa a deteriorar progressivamente e passadas 2 semanas a perda parcial da função renal passa a ser definitiva, os néfrons afetados não conseguem se recuperar e novos néfrons são perdidos com o passar do tempo, chegando até mesmo à completa destruição do rim.

Portanto, pacientes acometidos com cólica nefrética devem ser acompanhados adequadamente por um urologista com exames de imagem que mostram o tamanho do cálculo, sua posição e a condição do rim. Todos aqueles casos em que a obstrução do ureter não for completamente resolvida em até 2 semanas bem como aqueles casos em que o cálculo é grande demais para ser eliminado espontaneamente devem ser operados.  A cirurgia é muito simples, tem excelente recuperação e excelentes resultados, será tratada em um post nos próximos dias.

Deixe uma resposta